Páginas

quinta-feira, 10 de maio de 2018

Filosofando o aikidô

Uma das poucas obras que conheço que trate do tema filosofia e artes marciais é, pasmem, "Martial arts and philosophy: beating and nothingness"(Graham Priest e Damon Young). Achei muito bom, principalmente para curiosos e iniciantes em filosofia como eu.

O livro contém a opinião e experiências de diversos artistas marciais que tenham formação em filosofia. O capítulo 11 "Iaido, Aikido and the Other" trata de... aikidô. Nele a autora, Tamara Kohn, faz um paralelo entre a prática do aikidô e o pensamento de um Emannuel Lévinas. Lévinas foi um filósofo contemporâneo que viveu na Europa das guerras mundiais. Dentre diversos pontos, ele tratava da alteridade, da preocupação com o Outro. Outro com letra maiúscula mesmo, daí no título do capítulo a autora usar "Other" ao invés de "other". Morihei Ueshiba e Lévinas foram contemporâneos, viveram em um sociedade com profundas transformações e afetada por duas grandes guerras mundiais. Apesar de nunca terem se conhecido e tampouco O'Sensei poder ser considerado um filósofo, pensaram de forma igual. No livro a autora escreve algo que, para mim, sintetiza bem o aikidô e a forma de pensar de ambos e que transcrevo abaixo em uma tradução livre:

"O filósofo do século 20, Emannuel Lévinas, tinha um grande interesse em ética e as responsabilidades que cada indivíduo tem com as outras pessoas em seu mundo. Quando os "Eu"s e os outros se encontram(no treino, no trabalho, em casa, na rua) a qualquer momento haverá o que Lévinas chama de "mutualidade desigual"(novamente lembro que trata-se de uma tradução livre) no encontro. Ele escreveu, "Eu sou responsável pelo Outro sem esperar por reciprocidade, ainda que eu morra por isso. Reciprocidade é uma questão dele."(Totality and infinity, Martinus Nijhoff, 1961, pag. 98). Se isso for verdade, então a promessa de reciprocidade NÃO é o que motiva a você e a mim a agir de forma responsável e com cuidado, mesmo que isso seja parte da equação como um todo - apenas estar com os outros é o que faz isto.

Então se você pensar sobre o encontro em um tatame na prática do aikidô, esta responsabilidade que você tem com o Outro acontece antes do toque - antes da energia do ataque do Outro  fazer seu corpo se mover em resposta."

Em termos mais simples, seja o que você quer que os outros sejam. Isso  não é o bastante, é bobagem? Então lembre-se daquele ditado: vento que venta lá, venta cá. Cuide do outro se quiser ser cuidado. Bateu? Vai levar! Mas sabendo que isso não significa, de forma nenhuma, em fazer uma prática fraca, falsa. É preciso treinar firme, polir o corpo e o espírito, mas com respeito aos limites de cada um, pelo que aquela pessoa é e pelo que ela representa.

Considero que o aikidô não tem filosofia. O aikidô é o resultado dos pensamentos de um ser humano diante do contexto em que vivia. Lévinas e outros filósofos escreviam livros, davam palestras para demonstrar seus pensamentos. O'Sensei criou o aikidô para isso.

domingo, 14 de janeiro de 2018

Aikikai Kagami Biraki 2018

Foi liberada a lista de promoções da Aikikai deste ano. Bastante nomes brasileiros. Como faço todo ano, segue a lista:

7° dan
- Carlos Eduardo Dutra
- Ricardo Leite
- Severino Sales

6° dan
- Carlos Alberto Grisalt
- Ivan Okuyama
- Marcus Caires
- Matias de Oliveira
- Ricardo Kimati
- Valdecir Fornazier

5° dan
- Alexandre Salim
- Constantino Delis
- Eduardo Pereira Marquez
- Elza Mieko Issy Ozawa
- Gilberto Machado Marecos
- Isabel Rocha de Cunto Lemos
- Laurentino Duodécimo
- Luc Leoni
- Ney Tamotsu Kubo
- Ricardo Kenji Miyajima
- Walter Nunez Martinez

Parabéns a todos. Caso falte alguém, por favor informe nos comentários abaixo.

A lista original pode ser vista neste link